LFSC

HOME | ACERCA | NACIONAL | LOCAL | MUNDIAL | DOCUMENTOS | CONTACTOS | ANTERIORES

MUNDIAL

A desafiadora paixão de “Anna Karenina” chega ao Brasil na nova versão do Mosfilm

Por Hora do Povo 
29 de Maio de 2018

A estreia da mais nova adaptação cinematográfica de uma das histórias de amor, paixão e tragédia mais conhecidas, a “Anna Karenina”, do escritor Liev Tolstoi, produzida pelo Estúdio Mosfilm, acontecerá no próximo dia 7 de junho em cinemas de várias capitais do Brasil.

Para o lançamento do filme, o seu diretor, Karen Shakhnazarov, virá ao Brasil a convite do CPC-UMES Filmes e participará da pré-estreia, de eventos com cineastas, produtores, atores locais, e com a imprensa nos dias 05 e 06 de junho.

Além de divulgar o mais recente trabalho, em que assina a direção, o roteiro e a produção, o também Diretor Geral do Mosfilm, compartilhará sua experiência de vinte anos à frente do atualmente maior estúdio de cinema e produção audiovisual da Rússia e da Europa, em encontro que contará com a mediação do cineasta brasileiro, Sergio Muniz.

O longa se situa no início do século 20, durante a guerra russo-japonesa (1904-1905), que reúne no mesmo lugar os dois homens mais importantes da vida de Anna, seu filho Serguey e seu amante Vronsk
y, num encontro que não existe no romance, a partir do qual a história de Anna é narrada em flash back.

De fato, esta versão não é nada parecida com as anteriores porque no roteiro se integram duas obras. Além do marcante clássico do realismo russo há o relato de Vikenty Veresaev, “Na Guerra Japonesa”, e o ciclo do mesmo autor, “Contos Sobre a Guerra Japonesa”.

Publicado em 1877, o romance de Tolstoi acontece na Rússia czarista e retrata um caso extraconjugal vivido por Anna Karenina, mulher casada e mãe de um garoto pequeno. Ela se apaixona pelo conde Vronsky e
abandona a família para viver com ele, chocando a sociedade e gerando consequências trágicas. É uma forte crítica às estruturas hipócritas das famílias tradicionais da aristocracia daquela época.

“O conflito entre a Rússia e o Japão é o início do fim do império (russo) e nos pareceu um bom ângulo para voltar a abordar a história entre Vronsky e Anna, no qual fica plasmado também o destino de todo o país”, disse Shakhnazarov na pré-estreia do filme na Rússia, em junho de 2017.

As filmagens do longa foram realizadas simultaneamente às da minissérie Anna Karenina, também dirigida por Karen Shakhnazarov e exibida no canal estatal Rússia-1, em 2017. Enquanto a produção televisiva está mais próxima do clássico de Tolstoi, o longa, que também estreou na Rússia no ano passado, logo após o seriado chegar ao fim, se referencia também no livro de Veresaev, com um Vronsky envelhecido reavivando as memórias do passado e percebendo que sempre esteve preso a elas. Além disso, o filme apresenta cenas de batalhas que só as telas do cinema poderiam fazer jus ao seu aspecto espetacular.

Perguntado por que, no cinema, Anna Karenina tem mais de 30 versões, Shakhnazarov respondeu: “Seguramente porque é o melhor que foi escrito sobre as relações entre homens e mulheres, e por isso os diretores se debruçam sobre esta obra: é um estímulo”. Além disso, acrescentou, “a guerra russo-japonesa é um território ignorado na cinematografia russa”.

“Anna Karenina” sob o olhar do conde Vronsky

1904. Guerra Russo-Japonesa. Manchúria. Hospital militar russo nas estações de retirada de um vilarejo chinês parcialmente destruído. O responsável pelo hospital, Sergei Karenin, descobre que o conde Vronsky, ferido e em recuperação ali, é o homem que arruinou a vida de sua mãe, Anna Karenina. Sem nutrir esperanças ou esperar respostas, Karenin faz a Vronsky a pergunta que o vem atormentando por toda a vida: o que fez a sua mãe tirar a própria vida? Depois de hesitar um pouco, Vronsky concorda em contar a história de seu trágico amor por Anna Karenina, ressaltando que as pessoas só lembram o que escolhem se lembrar. Imerso no passado, Vronsky começa a rememorar uma história de 30 anos atrás e finalmente percebe o quanto, ao longo dos anos, esteve sufocado pelo passado.

Anna Karenina – A história de Vronsky

Rússia, 2017, 138 min, cor
Direção: Karen Shakhnazarov
Roteiro: Alexey Buzin, Karen Shakhnazarov
Trilha Sonora: Yuriy Poteenko
Direção de Fotografia: Aleksandr Kuznetsov
Elenco: Anna Karenina – Elizaveta Boyarskaya; Vronsky –Maksim Mat-veyev; Karenin – Vitaly Kishchenko; Sergei Karenin – Kirill Grebenshchikov // Makar Mikhalkin

Pré-estreia

Data: 05/06/18, terça-feira,
Horário: 20:30h
Local: Cinearte Petrobras Avenida Paulista, 2073, no Conjunto Nacional, Cerqueira César, São Paulo