HOME | ACERCA | NACIONAL | LOCAL | MUNDIAL | DOCUMENTOS | CONTACTOS | ANTERIORES

MUNDIAL

Brasil: A comoção gerada a partir de sua morte, fruto da violência no Rio de Janeiro, também é abordada na imprensa estrangeira

Redação
Brasil de Fato
15 de Março de 2018

O assassinato da militante e vereadora do Psol, Marielle Franco, na cidade do Rio de Janeiro, gerou grande repercussão na imprensa internacional. Os dois eixos em destaque na cobertura dos meios estrangeiros são o papel ativo da militante na luta pelos direitos humanos de negras e negros e a denuncia da violência contra as comunidades pobres da capital fluminense.

Marielle e o motorista que a acompanhava, Anderson Pedro Gomes, foram assassinados a tiros na noite dessa quarta-feira (14), no bairro do Estácio, no centro do Rio de Janeiro. A polícia investiga o caso.

Na América Latina, o portal e os noticiários do canal multiestatal teleSUR reforçam que Marielle foi "uma das vozes mais combatentes contra a ocupação militar das favelas do Rio de Janeiro" e que sua morte "comoveu a nação sul-americana por seu inesperado assassinato". Outros meios alternativos latino-americanos, como o Nodal, os argentinos Notas Periodismo Popular, Marcha Noticias e Resumen Latinoamericano, o colombiano Colombia Informa e o uruguaio La Diaria repercutiram com destaque em suas páginas principais.

Outros meios da região como o Informador, do México, destaca que "Assassinam a vereadora brasileria que se opunha à intervenção do Exército", mesma linha seguida por La Nación, do Chile.

Jornais estrangeiros de diversos matizes políticas também noticiaram o caso. O espanhol El País trouxe no título: "Comoção no Brasil pelo assassinato de Marielle Franco, vereadora e ativista do Rio"; e o, também espanhol, El Confidencial estampa: "Jovem, negra e feminista: Marielle Franco, a vereadora assassinada no Rio de Janeiro.

Já o inglês The Guardian noticiou "Marielle Franco, vereadora e crítica da polícia, morta a tiros em crime encomendado no Rio"; e a BBC, do mesmo país, traz que: "Vereadora do Rio, Franco, morre em tiroteio". New York Times e Washington Post, dos Estados Unidos, reproduziram nota da Associated Press que, além do texto noticiando o assassinato de Marielle, ilustram com foto da comoção e tristeza daqueles que foram até o local do crime, na noite dessa quarta-feira (15).

Na Itália, o RaiNews apresentou no título: "Ela lutou contra a violência policial nas Favelas: assassinada a ativista do Rio Marielle Franco". O francês Le Figaro e Le Parisien também trouxeram o assassinato da vereadora socialista em seus sites.

>> Acompanhe o minuto a minuto sobre as repercussões do assassinato de Marielle Franco <<

Edição: Vivian Fernandes